(...) “Se eu morrer muito novo, oiçam isto:

Nunca fui senão uma criança que brincava.

Fui gentil como o Sol e a Água,

De uma religião Universal que só os homens não têm.

Fui feliz porque não perdi coisa nenhuma,

Nem procurei achar nada,

Nem achei que houvesse mais explicação

Que a palavra explicação não ter sentido nenhum”. (...)

F.P. Alberto Caeiro




BlogZine..... Poemas, Devaneios e Contos...


"Há uma coisa tão inevitável quanto a morte: a vida."



...E na osmose que ocorre entre a Divindade e o seguidor, nasce a mosca Varejeira que possou em todo Amor!



“Ou eu encanto a vida
Ou desencanto a morte...

"Todos somos fanáticos para tanto basta que alguém arranhe uma de nossas crenças. "

AMORAL ARNARKIKO PUNK DRUNK ANT TUDO

A felicidade é minha fantasia favorita!




...Fodam-se! Enquanto podem





NO PROFIT!

"O Céu é meu teto; a Terra é minha pátria e a Liberdade é minha religião"



Caso encontre algum erro, aprenda com ele!





"Viver para o nada! ...e negar! a vida

segunda-feira, 30 de maio de 2011

BREGA SOUND do REGGAE ao BLUES



Não falo de amor...

Nada sei além de senti-lo!

Não busco compreende-lo!

Ou tão pouco mensura-lo!

Vivo-o!

Não vejo o amor como um ser.

Nem tão pouco como magia!?

Nem como nada que não o seja.

Não sois o amor...

Nem eu sou!

Tua lira não é amor!

Nem as palavras do poeta.

Nem vossa dor.

Meu Romantismo não é amor!

Nossas lagrimas não é amor!

Prazeres nas madrugadas não é amor!

O que a por traz dos olhos não é amor!

O que vem após o vinho não é amor!

O que procuras não é amor!

O que possuis não é amor!

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Fato...Fé & Peixeira!




No Renascer tem
Mais barato!
...e é o Barro!
Na minha boca predomina
A Carie & o tártaro
Entre todas as brincadeiras
D´criança
A dança das cadeiras
É a que melhor
Exprime a confiança!
O eleito continua a ruminar
Quando sorrir
Seca planta com
Seu olhar...
O sangue novamente me possuiu...
...com a fatalidade d´tudo aquilo
Que esconde-se
Por traz do vacilo!
Diversão! Menina branca!
Esguia entrega-se na
Mesa de vidro
E trinca meus sentidos!
A trivialidade flexa certeira
Na Maça derradeira
Que meus genes
Pós sobra minha sorte

quinta-feira, 19 de maio de 2011

( ... )



Meu Gozo é o ápice d´minha abdicação!

E nessa sua louca viagem de prazeres ás avessas

O nosso ritual só encerra quando sangra a terra

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Praia do Conde


O Sol do Conde me revela uma orquestra de uivos de cadelas essa comiseração é a beatificação que sofre todo cristão!


...e nessa imigração celeste vejo todos os insetos, bestas, pestes...


O pior vem na minha imaginação


A paisagem que inspira a paixão tem em sua principal fonte de nutrição


Corpos de Caiçaras que adubam aquele chão!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

E TUDO VEM A SER NADA...



Autor:
Silvino Pirauá de Lima (Patos-PB)
Poeta falecido em 1913.


Tanta riqueza inserida
Por tanta gente orgulhosa,
Se julgando poderosa
No curto espaço da vida;
Oh! que idéia perdida.
Oh! que mente tão errada,
Dessa gente que enlevada
Nessa fingida grandeza
Junta montões de riqueza,
E tudo vem a ser nada.

Vemos um rico pomposo
Afetando gravidade,
Ali só reina bondade,
Nesse mortal orgulhoso,
Quer se fazer caprichoso,
Vive até de venta inchada,
Sua cara empantufada,
Só apresenta denodos
Tem esses inchaços todos
E tudo vem a ser nada.

Trabalha o homem, peleja
Mesmo a ponto de morrer,
É somente para ter,
Que ele tanto moureja,
As vezes chove e troveja
E ele nessa enredada
À lama, ao sol, ao chuveiro,
Ajuntam tanto dinheiro,
E tudo vem a ser nada.

Temos palácios pomposos
Dos grandes imperadores,
Ministros e senadores,
E mais vultos majestosos;
Temos papas virtuosos
De uma vida regrada,
Temos também a espada
De soberbos generais,
Comandantes, Marechais,
E tudo vem a ser nada.


Honra, grandezas, brasões;
Entusiasmos, bondades;
São completas vaidades
São perfeitas ilusões,
Argumentos, discussões;
Algazarra, palavrada,
Sinagoga, caçoada,
Murmúrios, tricas, censura,
Muito tem a criatura,
E tudo vem a ser nada.

Vai tudo numa carreira
Envelhece a mocidade,
A avareza e a vaidade
É quer queira ou não queira;
Tudo se torna em poeira,
Cá nesta vida cansada
É uma lei promulgada
Que vem pela mão Divina,
O dever assim destina
E tudo vem a ser nada.

Formosuras e ilusões,
Passatempos e prazeres;
Mandatos, altos poderes;
De distintos figurões,
Cantilenas de salões;
E festa engalanada,
Virgem donzela enfeitada
No gozo de namorar,
Mancebos a flautear,
E tudo vem a ser nada.

Lascivas, depravações
Na imoral petulância,
São enlevos da infância,
São infames Corrupções;
São fingidas seduções
Que faz a dama enfeitada
Influi-se a rapaziada
Velhos também de permeio
E vivem nesse paleio,
E tudo vem a ser nada.

Bailes, teatros, festins,
Comadre, drama, assembléia,
Clube, liceu, epopéia;
Todos aguardam seus fins,
Flores, relvas e jardins,
Festas com grande zoada,
Outeiro e Campinada
Frondam, copam e florescem,
Brilham, luzem, resplandecem
E tudo vem a ser nada.

O homem se julga honrado,
Repleto de garantia,
De brasões e fidalguia
É ele considerado,
Mas, quanto está enganado
Nesta ilusória pousada
Cá nesta breve morada.
Não vemos nada imortal
Temos um ponto final;
E tudo vem a ser nada.

Tudo quanto se divisa
Neste cruento torrão,
As árvores, a criação,
Tudo em fim se finaliza,
Até mesmo a própria brisa,
Soprando a terra escarpada,
Com força descompassada
Se transformando em tufão,
Deita pau rola no chão,
E tudo vem a ser nada.

Infindo só temos Deus,
Senhor de toda a grandeza,
Dos céus e da natureza,
De todos os mundos seus.
Do Brasil, dos Europeus,
Da terra toda englobada
Até mesmo da manada
Que vemos no arrebol:
Nuvem, lua, estrela e sol,
Tudo mais vem a ser nada.

FIM

terça-feira, 26 de abril de 2011

JESUS MALVERDE



Hoy ante tu Cruz postrado ¡Oh Malverde mi Señor te pido misericordia y que alivies mi dolor. Tú que moras en la Gloria Y estás muy cerca de dios Escucha los sufrimientos De este humilde pecador ¡Oh! Malverde milagroso ¡Oh! Malverde mi Señor concédeme este favor y llena mi alma de gozo. Dame salud Señor Dame reposo Dame bienestar Y seré dichoso". "Se hace enseguida la petición personal y se rezan 3 Padres nuestros y 3 Aves Marías. Se finaliza encendiendo dos veladoras".


*Jesus Malverde é reverenciado há quase um século no noroeste do México. De acordo com o folclore, ele era um Robin Hood mexicano que tirava dos ricos para dar aos pobres, até que a polícia o matasse, em 1909. Agora, imigrantes levaram sua lenda aos Estados Unidos. A imagem de Malverde, que muitos mexicanos acreditam ofereça proteção contra a lei...



quarta-feira, 20 de abril de 2011

Antônio Pereira de Moraes – O Poeta da Saudade



José Romero Araújo Cardoso

Conhecido como o poeta da saudade, Antônio Pereira nasceu a 13 de novembro de 1891, no sítio Jatobá, hoje município de Itapetim, onde viveu até a morte, a 07 de novembro de 1982. Violeiro e poeta popular, ele mal assinava o nome e nunca fez da arte a sua profissão, tendo
sobrevivido como modesto agricultor.

Antônio Pereira participava de jornadas de improviso apenas com os amigos e os seus versos sobreviveram ao tempo porque eram repassados verbalmente pelos seus admiradores que os decoravam. Em 1980, com a ajuda de amigos, publicou seu único folheto, "Minhas Saudades", uma coletânea de sua poesia.

Alguns versos do poeta:

Saudade é um parafuso
Que na rosca quando cai,
Só entra se for torcendo,
Porque batendo num vai
E enferrujando dentro
Nem distorcendo num sai.

Saudade tem cinco fios
Puxados à eletricidade,
Um na alma, outro no peito,
Um amor, outro amizade,
O derradeiro, a lembrança
Dos dias da mocidade.

Saudade é como a resina,
No amor de quem padece,
O pau que resina muito
Quando não morre adoece.
É como quem tem saudade
Não morre, mas adoece.

Adão me deu dez saudades
Eu lhe disse: muito bem!
Dê nove, fique com uma
Que todas não lhe convêm.
Mas eu caí na besteira,
Não reparti com ninguém.


No Silêncio da Saudade
Quem ama sofre calado,
Ausente de seu amor!
Tornando-se um sofredor…
Porque não ver ao seu lado,
Seu coração é magoado!

Pra viver não tem ação…
Seu mundo vira ilusão…
A tristeza a mente invade…
No silêncio da saudade!
Só quem fala é o coração.

************************

Se a saudade matasse/
No túmulo eu já vivia/
Há muito eu já residia/
Mas continuo no impasse/
Se o meu amor voltasse/
Essa saudade morria/
A mim não pertubaria/
A vida era um mar de rosa/
Cantando e falando prosa/
Na vida eu tinha alegria…/

**********************

Quem ama sofre calado/
Seu peito é triteza e dor/
Tornando-se um sofredor…/
Porque não tem ao seu lado,/
Seu amor mais desejado/
Pra viver não tem ação…/
Seu mundo vira ilusão…/
A tristeza a mente invade…/
No silêncio da saudade!/
Só quem fala é o coração./
************************
retirado do blog, MUNDO DO CORDEL

Julgues



porque já pequei
porque já errei
porque já sonhei
porque já me dei
porque já fui
e já, voltei.

Não me julgue
se sou carne,
se sou alma
se sou o intenso
o maciço o fascínio
o desejo o feitiço
ou o pecado.

Apenas lhe peço,
não me julgues
somente olhe
e saibas que,
sou o mistério
o ensejo o devaneio
a poesia...

Geane Masago

Um desejo sem domínio




No ensejo do libido

A carne cálida

A mente despudorada

A luxúria dos mortais

O fogo que exala

Saem pelos poros


Pele toda suada

Os lábios já molhados


Ouvindo a voz rouca
Sussurrada ouvida

Em volta envoltos

Causando a vontade

Onde o limite e o fim

Uma mulher um homem

Os olhares perdidos

Irmanados pela cena


Delineando a dança do amor

É chama pura, ardente


A sedução se faz presente

O dar-se não se dando

O levitar sem sair da cama

O não saber se,

Desenha o sonho ou a verdade

Resta então, somente o sentir

Da magia do deleite.

Um,

desejo na madrugada.

Geane Masago

A serpe e o poeta



Ela é o fogo da sedução
desliza sobre o sal
sobre o suor que,
escorre do poeta.

Seu olhar é hipnótico
é feitiço é mistério
serpenteia ao alvorecer
envenena-o pela madrugada.

O poeta, entorpecido fica em delírios e,
perde-se em sentidos
sonhos e utopia.
A serpe é, sua dor seu alívio.

Ele, deseja o antídoto à cura.
Porque, em sua pele ela é o profano
em sua carne, ela é a volúpia.
Pois a serpe esta, entre o mal e o bem.

Para o poeta ela é,
sua musa Íris Afrodite
sua metrica cadência seu ode
sua inspiração e seu poema.

Geane Masago

quinta-feira, 24 de março de 2011

}+_()_+(*¨%$@#!#%(})%$#@}!+_&$@*+_&#



Por traz daquela serra tem uma Cabra amarela
Se você não gosta de caju porque roubou a bike do menino?


Escutava esse poema DADA da boca da galera anarquista, quando entrei no Mov. Anarco Punk.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Vovô Cantou pra Subir


Vovô cantou pra subir
Quando o dia clareou ( Diz aí...)
(Repete)

Olha o lembrete
Que vovô deixou
(Repete)

Você diz que está formoso
Mas está na corda bamba
Você engana todo mundo
Menos o povo de Aruanda
Você ia ser punido
Vovô pediu por você
Se continuar pisando
Aí o couro vai comer ( Vou dizer...)

Vovô cantou pra subir
Quando o dia clareou
(Repete)

Olha o lembrete
Que vovô deixou
(Repete)

Olha aí... caridade não se paga
Você sabe muito bem
Médium que cobra consulta
Não pode ajudar ninguém
É igual aquele que vendeu Cristo
O homem de Jerusalém
Guarde sempre este lembrete
E deixe de armação
Vovô não quer ver seu povo
Dando volta em seus irmãos

Vovô cantou pra subir...
(Repete início)



segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Bala Perdida?



A Bala não faz distinção
O que mata nossos filhos
Iguala nos como irmãos!
Bala perdida é
Um contra senso total!
Pois o que espera se
Da Bala afinal?!


quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

SIMPLESMENTE ZECA....



SOMBRA, LUZ, ESCURIDÃO...
FOGO, PAIXÃO.
AFINAL,
O QUE SE ESCONDE NO TEU CORAÇÃO?
SOB CAMADAS DE GELOS,
DA DOR
DA FRIESA DA SOLIDÃO.
MESMO QUANDO ESTÁS
SOLTO POR ENTRE A MULTIDÃO.

EM IARA TU PAROU...
COM AS EMOÇÕES, SENTIMENTOS.
BREVES E ETERNOS MOMENTOS...
TATUASTE ELA NÃO SÓ NA PELE
MAS NO TEU PENSAMENTO.
É A DOR QUE EM TI SE PERPETUA
COMO POR UMA SÁDICA VONTADE TUA.

CORTEJAS TÃO PERIGOSAMENTE O ÊXTASE
AO LADO DO DESESPERO,
COMO SE COBIÇA A MELHOR DAS AMANTES.
MESMO SABENDO QUE DEPOIS
DE GOSTOSOS E ALUCINANTES GOSO,
VEM UMA DOR DILACERANTE.

VALEI-ME SÃO JORGE!
NOSSO SANTO PROTETOR GUERREIRO.
LUTAI AO LADO DO MEU AMIGO,
COMO SE PROTEJE UM FIEL ESCUDEIRO.
LIVRAI-O DA PESTE DA ESCURIDÃO.
QUE AS SUAS FORTES E BELAS PALAVRAS,
MARQUEM A SAÍDA DO LABIRINTO
QUE FAZ DA MENTE UMA PRISÃO.

QUE ELAS POSSUAM O PODER DO FOGO,
QUE A TUDO DEVORA E CONSOME.
QUE AS IARAS DA SUA VIDA
NÃO SE TORNE PARA SEMPRE
UMA SAUDADE, UMA DOR,
APENAS DE UMA MULHER,
MAIS UM NOME

NÃO SOU TUA LUZ.
MAS TE FAÇO LEMBRAR
QUE DENTRO DE TI ELA EXISTE.
SEI QUE QUANDO ESTÁS ENVOLTO
EM SOMBRAS OU AMEDRONTADORA ESCURIDÃO,
LUMINOSIDADES, COMO A QUE VI
NO DIA QUE TE CONHECI.
SEMPRE EXISTIRÁ NO TEU CORAÇÃO.

JOSÉ,
ZECA...
DINÍZ.
ESTÃO AÍ OS VERSOS QUE TE FÍZ...

RAQUEL FREE


Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=175869#ixzz1EFH8mWUa


sábado, 5 de fevereiro de 2011

AMÉM



O Sangue que libertei de minhas veias ao escorrer por entre salas serpenteia

...e bento por esse liquido divino berro! que o prazer foi meu assassino

Com o testemunho da manhã vejo como é vã toda fé cristã

Ao ver meu corpo inerte e saber que seu destino é o banquete dos vermes

Tenho agora o Escárnio dos amigos como prece.